News

Doença de coronavírus 2019 (COVID-19): O que sabemos até agora?

mar 26, 2020

Os coronavírus são uma grande família de vírus que geralmente causam doenças leves a moderadas do trato respiratório superior, como o resfriado comum nas pessoas. No entanto, três surtos durante o século XXI surgiram de reservatórios de animais, causando doenças graves e problemas de transmissão global.

Doença de coronavírus 2019 (COVID-19): O que sabemos até agora?

O patógeno que causa o COVID-19 é um novo coronavírus que foi identificado pela primeira vez no final de janeiro de 2020, chamado SARS-CoV-2 (também conhecido como 2019-nCoV). O SARS-CoV-2 é um novo membro dos coronavírus os quais são um grande grupo de vírus de RNA de cadeia simples altamente diversificados, envelopados, com sentido positivo e fita simples. Pesquisas recentes relataram que o SARS-CoV-2 provavelmente se originou em morcegos, com base na semelhança de sua sequência genética com a de outros coronavírus.

Read more in Journal of medical virology

Sinais comuns de infecção incluem sintomas respiratórios, febre, tosse, falta de ar e dificuldades respiratórias. Em casos mais graves, a infecção pode causar pneumonia, síndrome respiratória aguda grave e até morte (OMS).

Os profissionais da área de saúde estão na linha de frente do atendimento a pacientes com infecção confirmada ou possível pela doença de coronavírus 2019 (COVID-19) e, portanto, têm um risco aumentado de exposição a esse vírus. O que os profissionais de saúde devem saber - Centers for Disease Control and Prevention fornecem informações estendidas aos profissionais de saúde.

A Academia Americana de Pediatria (AAP) está tranquilizando os membros a respeito das medidas que podem tomar agora e oferecendo apoio contínuo à medida que o surto evolui. Desde o início do surto, a AAP tem trabalhado para se manter a par de todos os casos confirmados relacionados à disseminação global do COVID-19, e os tem relatado no AAP News online e na página Red Book Online Outbreaks page

A AAP está aconselhando seus membros a tomar as medidas habituais para qualquer surto potencial de doenças infecciosas - o que inclui a preparação de seus consultórios ou clínicas para adotar práticas padrão de controle de infecções. Eles também devem colaborar com seus hospitais e sistemas de saúde locais. Além disso devem, em sua prática, aconselhar as famílias a ficar em casa, longe do trabalho, da escola, caso estejam doentes.

Evidência disponível em mulheres grávidas e lactantes e COVID-19

Mulheres grávidas:
Com base nos relatórios científicos publicados, não há informações sobre a suscetibilidade de mulheres grávidas ao COVID-19. As mulheres grávidas sofrem alterações imunológicas e fisiológicas, que podem torná-las mais suscetíveis a infecções respiratórias virais, incluindo o COVID-19. As mulheres grávidas também podem estar em risco para várias doenças graves, morbidade ou mortalidade em comparação com a população geral, como observado em casos de outras infecções relacionadas ao coronavírus [incluindo coronavírus da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV) e coronavírus da síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS- CoV)] e outras infecções respiratórias virais, como influenza, durante a gravidez.

Complicações na gravidez:
Como mencionado pelo CDC, não há informações disponíveis sobre os resultados adversos em mulheres grávidas com COVID-19. Foi observada perda de gravidez, incluindo aborto espontâneo e natimorto, em casos de infecção por outros coronavírus relacionados [SARS-CoV e coronavírus da síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV)] durante a gravidez. A febre alta durante o primeiro trimestre da gestação pode aumentar o risco de certos defeitos congênitos.

Transmissão vertical de mãe para bebê durante a gravidez
A transmissão vertical inclui a transmissão de um patógeno de uma mãe para seu feto ou recém-nascido, durante ou imediatamente após o parto. A transmissão transplacentária ocorre durante a gravidez quando a viremia materna leva à transmissão através da placenta (por exemplo, Zika virus). A transmissão perinatal no momento do parto pode ocorrer quando o recém-nascido entra em exposição com fluidos corporais maternos durante o parto (por exemplo, como ocorre com o vírus do herpes simplex [HSV]), através da transmissão de vírus infeccioso pelo leite materno (por exemplo, como ocorre com o HIV ) ou outros fluidos corporais (por exemplo, como ocorre com estreptococos do grupo B e fluidos vaginais, vírus da gripe e gotículas respiratórias), e alguns patógenos são transmitidos por várias vias. Em séries limitadas de casos recentes de bebês nascidos de mães com COVID-19 publicados na literatura revisada por pares, nenhum dos lactentes apresentou resultado positivo para SARS-CoV-2. * Além disso, o vírus não foi detectado em amostras de líquido amniótico. Estão disponíveis informações limitadas sobre a transmissão vertical para outros coronavírus (MERS-CoV e SARS-CoV), mas a transmissão vertical não foi relatada para essas infecções.

Lactentes
Com base em relatos de casos limitados, foram relatados resultados adversos em lactentes (por exemplo, parto prematuro) entre lactentes nascidos de mães positivas para COVID-19 durante a gravidez. No entanto, não está claro que esses resultados estejam relacionados à infecção materna e, neste momento, o risco de resultados adversos no lactente não é conhecido. Por conta dos limitados dados disponíveis relacionados ao COVID-19 durante a gravidez, o conhecimento dos resultados adversos de outras infecções virais respiratórias pode fornecer algumas informações. Por exemplo, outras infecções virais respiratórias durante a gravidez, como a gripe, têm sido associadas a resultados neonatais adversos, incluindo baixo peso ao nascer e parto prematuro. Além disso, ter um resfriado ou gripe com febre alta no início da gravidez pode aumentar o risco de certos defeitos congênitos. Foram relatados bebês nascidos prematuros e / ou pequenos para a idade gestacional entre bebês nascidos de mães com outras infecções por coronavírus, SARS-CoV e MERS-CoV, durante a gravidez.

Transmissão através do leite materno
Foi relatada transmissão homem-a-homem por contato próximo com uma pessoa com COVID-19 confirmado e acredita-se que ocorra principalmente por gotículas respiratórias produzidas quando uma pessoa com infecção tosse ou espirra. Em séries limitadas de casos relatadas até o momento, nenhuma evidência de vírus foi encontrada no leite materno de mulheres com COVID-19. Nenhuma informação está disponível sobre a transmissão de SARS-CoV-2 * através do leite materno (isto é, vírus infeccioso no leite materno).

Em relatos limitados de mulheres lactantes infectadas com SARS-CoV, * o vírus não foi detectado no leite materno; no entanto, anticorpos contra SARS-CoV foram detectados em pelo menos uma amostra.

Transmissão através do leite materno

Quando a SARS surgiu na China em 2002, ela varreu o mundo todo - principalmente por meio de viagens aéreas - causando doenças mortais. Mais de 8.000 pessoas adoeceram e 774 morreram, o número COVID-19 superou em dois meses. A SARS chamou a atenção coletiva de pesquisadores em todo o mundo. A doença desapareceu em 2004, provavelmente devido a medidas de isolamento e quarentena, e nenhum caso de SARS foi relatado desde então. Em 2012, um novo coronavírus surgiu no Oriente Médio, causando uma doença semelhante à SARS. Novamente, pesquisadores do NIAID e de todo o mundo iniciaram estudos para entender o MERS-CoV e como interrompê-lo.

Graças a investimentos em pesquisas sobre surtos de SARS e MERS, os cientistas do NIAID estão melhor preparados para desenvolver diagnósticos, terapêuticas e vacinas contra o COVID-19. Nesses projetos, estão incluídas pesquisas básicas para entender como o vírus infecta células e causa doenças; adaptação de plataformas usadas para desenvolver testes de diagnóstico e vacinas; e avaliar tratamentos como antivirais de amplo espectro e anticorpos potencialmente monoclonais.

De fato, duas semanas após a descoberta do COVID-19, os pesquisadores do NIAID haviam determinado como o vírus entra nas células.

Começa o ensaio clínico NIH da vacina experimental para COVID-19

Phase 1 clinical trial que avaliou uma vacina em investigação projetada para proteger contra a doença de coronavírus 2019 (COVID-19) começou no Kaiser Permanente Washington Health Research Institute (KPWHRI) em Seattle. O Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), parte dos Institutos Nacionais de Saúde, está financiando o estudo. O KPWHRI faz parte do Consórcio de Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas do NIAID. O estudo aberto incluirá 45 voluntários adultos saudáveis, com idades entre 18 e 55 anos, durante aproximadamente 6 semanas.

Mais informações:

https://www.who.int/news-room/q-a-detail/q-a-coronaviruses

https://www.unicef.org/stories/novel-coronavirus-outbreak-what-parentsshould-know

https://www.thelancet.com/action/showPdf?pii=S0140-6736%2820%2930360-3

https://www.who.int/news-room/detail/06-02-2020-who-to-accelerate-research-and-innovation-for-new-coronavirus

https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019

https://www.elsevier.com/connect/coronavirus-information-center

https://www.thelancet.com/coronavirus?dgcid=kr_pop-up_tlcoronavirus20

https://www.thelancet.com/action/showPdf?pii=S0140-6736%2820%2930311-1

https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/advice-for-public/myth-busters

https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2761659

Recomendado para você

Desculpe, não temos quaisquer recomendações neste momento